terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Como salvar o jornalismo

Me desculpem os leitores que não são da área ou que sequer consomem notícias, mas gostaria de utilizar este espaço para discutir um problema que envolve os profissionais, os leitores e toda a sociedade.

O Estadão deste domingo veiculou em seu caderno Economia um artigo de duas páginas inteiras sobre o atual modelo que sustenta o jornalismo e as empresas jornalísticas. Quem assina é o ex-editor da revista Times e atual presidente do Aspen Institute, Walter Isaacson, e defende que conteúdo noticioso na internet produzido por veículos impressos deve ser pago.

Walter Isaacson defende um modelo de negócios que permita às publicações o estabelecimento de um vínculo mais forte com os leitores e a preservação dos valores do jornalismo.

Me lembro muito bem da burocracia absurda que era necessária para que eu, assinante do jornal impresso, pudesse acessar os arquivos e versões online do Estadão. Hoje qualquer um pode acessar sem pagar nada. Democratização da informação? Pode ser, mas democracia paga as contas e salários dos jornais? Infelizmente não. A idealização é muito bonita, mas nesse caso não funciona. Principalmente porque deixa os jornais altamente dependentes da verba publicitária.

E é aí que reside a grande crítica. É senso comum dizer que os jornais se "vendem" aos anunciantes, deixando de noticiar fatos importantes porque prejudicam os interesses de quem os sustenta. Quem não se lembra do infame caso do Jornal Nacional que "pincelou" alguma informação sobre um derramamento de óleo proveniente de uma das plataformas da Petrobrás a qual, ironicamente, é a maior anunciante do telejornal?

É digno de críticas, claro. Mas, ao mesmo tempo, também é digno de compreensão. A maioria dos veículos impressos brasileiros trabalha com contingente reduzido, fazendo com que um único jornalista faça o trabalho que três outros fariam. O resultado são profissionais estressados, mal pagos, além de muito outros desempregados. Não parece justo que o conteúdo que você lê na internet seja bem recompensado? Afinal notícias não caem do céu, elas são averiguadas, escritas, revisadas, editadas e, por fim, veiculadas.

Se hoje em dia temos o grande sucesso do iTunes que vende músicas por US$0,99, por que não pagar um ou dois reais para ler uma revista inteira? Ou quem sabe uns vinte reais mensais para ter acesso a todas as publicações daquele período? Dessa maneira os veículos contariam com uma verba a mais que os libertaria da obrigação com os anunciantes e preservando, como deve ser, os interesses de seus leitores e sua própria credibilidade.

Eu sou suspeita para opinar. Claro que sou a favor de um sistema assim, desde que apoiado por uma metodologia de pagamento fácil e rápida (o que é não tão difícil assim de se conseguir). Mas e vocês, pagariam para ler notícias e acessar o conteúdo de um veículo impresso pela internet?

Para ler o artigo na ÍNTEGRA e GRATUITAMENTE, clique aqui.

22 comentários:

Mateus G. disse...

Concordo com você,nos sites da região aqui,você deve ser assinante para ter acesso as noticias pela internet.Mais eu não pagaria.

Leandro disse...

Olah,

Concordo com todos os seus argumentos, porém (sempre tem um porém), por menor que seja o valor a ser pago, muita gente vai deixar de acessar o site de noticias soh pq precisa pagar.

Talvez esse modelo funcionem bem nos Estados Unidos ou na Europa, onde para a maioria da população 10 dólares/euros não fazem a diferença no final do mês, mas eu, particularmente, acho que no Brasil a renda familiar da maioria da população não permite esse "luxo", ou quando permite, muitas pessoas preferem gastar esse valor em (mais) um crediário das Casas Bahia.

Na verdade a industria da noticia deve reinventar a forma de ganhar dinheiro, assim como a industria automobilística fez nos anos 90 (e precisa fazer novamente agora com a crise) e a industria da musica vem fazendo, ou pelo menos ainda tentando. Sugestões para essa mudança? Infelizmente eu não tenho, mas não é uma mah idéia pensar sobre isso.

Rogério Felício disse...

.........pode 'pegar' o post do meu blog para vc... afinal o blog é nosso.... :)

Bertonie disse...

Ai, me decepcionei. Achei que seria mais um vídeo da Stefhany. Virei fã dele desde se último post, rs -n

Querida, eu concordo contigo.
Mas as pessoas querem notícias rápidas e fáceis (entende?!), quer abrir o MSN (rs) e que apareça um janelinha com as principais manchetes dos principais assuntos do resumo do dia. Mesmo que só tenha notícias sobre o Big Brother.
Pouca gente vai atrás dos sites de notícias. De blogues ou de portais noticiários.
Mudando um pouquinho de assunto, rs, olha o Jornal Nacional. Um jornalismo que você assiste chorando. Uma coisa super resumida e maquiada. O próprio Cid Moreira uma vez declarou que tudo na indústria Global é "tenencioso e manipulado". Mas mesmo assim, nós assistimos o JN.
Eu acho que para termos acesso ao jornalismo na internet, propriamente dito, deveríamos sim pagar. Mas nada acima de 10 reais, creio eu. Sim, afinal a renda do brasileiro não permite esses "luxos".

Ah, meninë você não sabe do babado, rs.
Chegou um casalsinho aê e começou a criticar o Thiago por um template que ele fez que colocou uma foto sem os direitos autorais. Mas essa tal foto, ele achou na internet, porque você sabe, né, na net tudo vaza e os direitos autorais somem e nós ficamos sem saber quai são os ditos cujos. Aê eles apelaram para a ignorancia e coisa e tal e tal e coisa.
EAE, blz!


beigos mil

Rogério Felício disse...

Querida, se você poder me passe algum e-mail seu???
:)

Sabrina Paiva !!! disse...

Isso é um problema desde sempre. Há sempre dois lados nessa história.Há sempre debates e críticas à respeito do jornalismo.
Eu gosto do jornalismo. Já pensei em ser jornalista.Ainda penso hehe.
Bem,é meio complicado como toda profissão né?
Beijinhos
Xau

Idylla disse...

Ah venha mesmo...tenho certeza de q vc vai amar....
Beijos e ótimo post!!

Leandro disse...

Interessantes o post e o blog. Bom, não sou jornalista, sou apenas um rapaz que gosta de se informar sobre o que acontece no Brasil e no mundo para formular a minha própria opinião. Mas confesso que o Jornalismo tem um brilho a mais para mim.
Nunca paguei e não pagaria para ter acesso a informação. Concordo com a sua opinião, também não gosto dos veículos de informação que "se vendem" para os patrocinadores, mas compreendo que eles precisam dessa verba para sobreviverem e manter os salários dos funcionários em dia.
Um outro veículo que, nas suas devidas proporções, são um inimigo dessa proposta são os blogs. Muitos jornalistas renomados escrevem num blog e lá eles dão todas as notícias com o comentários deles. Então por quê eu assinaria o site da Folha para ter informações do esporte, se posso ler o blog de Juca Kfouri, que também vai divulgá-la?
A solução seria então cobrar uma mensalidade para se acessar os blogs. Imagine como seria 1 real aqui, outro acolá, fora a mensalidade da empresa que fornece o serviço de internet... Uma bola de neve se formaria.
Mas esse tema tem que ser discutido mesmo, com mais calma e estudo.
Beijo

Daniel disse...

A internet é uma forma a mais dos jornais divulgarem seu conteúdo - e ao mesmo tempo arrecadar com publicidade, mesmo que não seja um montante muito expressivo.
Há muitos leitores que fazem questão de receber seu jornal em casa - eu, por exemplo, não me sinto tão à vontade lendo na tela do computador como no impresso.
Eu, se fosse dono de um jornal, jamais cobraria pelo acesso do meu conteúdo, até porque ninguém assinaria. Há tanta informação - de boa e má qualidade - que não é difícil achar sites que prezam por um jornalismo competente.
Apesar de tudo, sendo estudante de jornalismo, achei pertinente a sua colocação de que estamos numa rua sem saída. A solução é tentar sempre se aperfeiçoar para garantir seu emprego. Dificuldades há em todas as áreas, não é diferente na sua, e na minha futura.

Teilor disse...

Sou um grande interessado no jornalismo e no rumo que este irá tomar no nosso país.

Concordo em partes com você sobre pagar para ter acesso a informação. Eu pagaria por informação, como já pago a tempos pelos meios impressos. Mas é complicado depositar seu dinheiro em uma fonte de informação sem ter certeza da idoneidade da mesma.

Um exemplo: eu adorava a revista Info, da editora Abril, todo mês eu comprava, mas recentemente a qualidade da revista caiu muito, no entanto a qualidade a qual me refiro não é simplesmente a qualidade da informação, mas também a qualidade editorial da revista. Hoje ela está cheia de propagandas e possui muitas matérias que parecem ter sido escritas por falta de pauta ou por acordos de publicidade.

Por isso mesmo, hoje, mal dou uma olhada nela, quando chega a nova edição no escritório onde trabalho.

Dalleck disse...

Talvez com uma melhor infra-estrutura podendo o jornal digital estar disponível em RSS e celular, valesse a pena pagar. Mas infelizmente as estratégias de vendas e prestação de serviços pela internet ainda precisam evoluir muito. Já devem ter pensado nisso, mas algum empecilho burocrático (dinheiros dos poderosos) deve ter barrado.

D.Ramírez disse...

Uma opinião pessoal, fora do contexto talvez, mas quem está matando o jornalismo é o proprio jornalista.
E todos que o cercam, como o fotógrafo, chargista, diagramador, reporter, cameras, assistentes, canetinhas, motoristas.....
Não se dão valor e isso é fato. Se a classe fosse realmente unida, como é a dos advogados(esses são e muito) os dirigentes teriam que baixar um pouco a crina e dar mais condições de trabalho para a classe, mas os que trabalham se contentam, achando q jornalismo nunca deu dinheiro e esses blabla blas todo que vc deve conhecer melhor que eu.
O respeito deve começar pela classe. Não faço parte de sindicatosm detesto PT, mas a coisa vai desandar pq eles mesmo deixam isso acontecer. Todos brasucas acham que lá fora é melhor e tal, não é. Só que eles se valorizam, é diferente. União nesse sentido seria a solução ate para um jornalismo pago na internet. Mas deixam leitores fazerem fotos, dar noticia..e so abaixam a cabeça. Paparazi faz fotinho de socialite e personalidade pelo preço de estar do lado da boazuda famosa, enquanto essa boazuda lucra muito pela foto do tal. Devia cobrar pra publicar. Quer essa foto na Caras paga. Parte vai pro fotografo, parte pra revista, queria ver se ia ter tanta persona sorrindo...
Besos

Coisinhas da Jeh _ disse...

HAHAHA! Corinthians não dá né Aline? :)

Ain, isso é um assunto complicado para se opinar! :S

Felipe Attie disse...

O Jornalismo anda em crise desde que começei a ler e a escrever. Todos falavam que a Internet acabaria de uma vez com o Jornal Impresso... E que a tendência é virtualismo e não impressão... No final, tudo não passa de balela. O que falta éw o Jornalismo saber se adaptar ao formato e as tendências. Cobrar ninharia de leitores virtuais, não vai salvar a classe.

Ass: Um redator Publicitário

André Victor disse...

Primeiro, você fez falta no churras da turma! Foi muito bom e a Júlia pode confirmar, mesmo que tenha ficado apenas um dia.

Vamos ao post.

O modelo proposto pelo Walter Isaacson é um ponto de partida. Não sabemos a eficáceia dessa ideia, mas é muito pertinente

Ao mesmo tempo em que a Internet se papulariza cada vez mais no Brasil, as pessoas, sofrem (aquele velho problema) com uma rotina mais atribulada, sem tempo mesmo.

Eu, por exemplo, leio alguma coisa do Estadão, em casa mesmo. Adoraria ler a Folha, mas não dá tempo.

Acabo lendo a Folha no trabalho, pela internet, já que sou assinannte do Uol e posso acessar o conteúdo impresso da FSP.

O tempo não vai parar para que eu consiga dar conta de ler tudo. É ruim ler tudo online? Sem dúvidas.

Mas é para esse sentido que as coisas caminham. Eu também pagaria alguns cents por dia para ter acesso a revistas e jornais pela Internet.

Gostei bastante da análise dele e da discussão que você propôs nesse post.

Beijão.

Tiago M. disse...

Eu acredito que é valido pagar, pois assim pode se criar uma estrutura um pouco melhor, e maior formação de renda...

abrazz

Minnie_ disse...

Com certeza eu pagaria, é mais do que justo!
Concordo com o seu ponto de vista, e olha que eu não sei nada de jornalismo.
Como a maioria dos problemas, a causa está na nossa própira atitude, e a solução, bem ali no nosso alcance.
Me convenceu.

Um beeijo!

A n i n h a a disse...

Eu como leitora de sites de notícia e informações, discordaria de você e diria que já quase temos que pagar por respirar, imagina pra ler notícias na internet.
Mas como futura jornalista, eu te apóio inteiramente, e acho que os conteúdos deveriam ser pagos sim senhor.
Dá pra entender? ahsuAHUShas

beijokas lindonaa :*

Vinícius*Magalhães disse...

Você ganhou o meu selo "Gostei do que li". Seu premio foi concedido graças ao belo trabalho que vem fazendo com seu blog e pelo ótimo conteúdo. veja as regras e pegue seu selo em

http://vncsmagal.blogspot.com/2009/02/ganhadores-regras-do-selo.html

e ajude com a idéia !

Mente Cuca disse...

Bom, entendo a sua posição, até porque você é uma jornalista. Só que uma grande parte das pessoas que navegam na internet e leêm (sou contra a nova ortografia rs...) notícias, não possuem nem sequer cartão de crédito (como eu!) e outra grande parte lê somente porque é gratuito (como eu também!).

Eu acho que existem outras formas de um jornal online obter dinheiro. Vai saber o quanto jornais online como O Globo, Estão, Folha, etc. ganham só com anúncios em banner! Sem contar que existe as famosas matérias "merchã" né...

Uma maneira de conciliar as duas visões seria fazendo mais ou menos o que o O Globo faz atualmente: todas as matérias são acessiveis, mas algumas o leitor/internauta só pode ler até uma certa parte.

Enfim, como já deu para entender, sou contra o bloqueio de conteúdos informativos apenas para pagantes. Até porque, eu não pagaria para assinar um jornal online pois sempre haverão aqueles gratuitos.

Ótimo blog.

Espero sua visita.

BLOG MENTE CUCA
http://mentecuca.blogspot.com/

MELISSA S disse...

Eu sou jornalista, mas também vejo o lado positivo do fato dos sites de jornais e revistas serem gratuitos ao público. É uma questão social. A gente vive num país que as pessoas não tem grana e os pobres estão acessando cada vez mais a internet. Se eles não tiverem ao menos acesso, os índices de leitura cairão cada vez mais no país e aí sim perderemos potenciais leitores. Acho que os sites, como são hj, não cumprem com um papel importante: o de chamar a atenção para seus veículos-chefe. O site, na minha opinião, tem que chamar a atenção para o próprio jornal e a revista e ser uma coisa diferente, sem ser mero reprodutor de conteúdos já publicados. Não se faz site de qualidade no Brasil, as pessoas ainda não procuraram um propósito específico para eles. Eu acho sim que os veículos de comunicação têm lucros absurdos até pq trabalho num dos grandes. O fato deles colocarem poucos jornalistas para fazerem o trabalho de 3 não têm a ver com poucos anúncios e com o fato da internet ser gratuita e não gerar lucro. Eu digo, por experiência própria, que eles não aumentam nossos salários por pura ganância... É mais ou menos por aí. Beijos

www.sualista.com.br disse...

www.sualista.com.br